quarta-feira, 21 de junho de 2017

ET LUZ HOMINUM XVI



Tu fingirás
e, fingindo, ainda beberás
muito deste forte
vinho,

até
que a morte se lhe seque
a amarga fonte;

tu,
tuas vatidões e teus nadas
compelidos em gritos
de poesias;

tu
e teus remos, e tua navegação
de cabonagem pelos sapiens
rios;

tu
e teus dados lançados
como se a vida fosse um jogo
de meninos;

tu
molhada de chuva invisível,
com estilhaços e lágrimas, indo
e vindo;

tu
que te pensas grande,
mas que não passas de uma
pequenina

que, ao figurado
céu ou ao real pântano
que habitas, aos poucos

te definhas!