segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

ESPELHOS QUEBRADOS!

... ferido pelos espelhos,
já me tornei exangue, meus ossos
já se quebraram todos,

eu mesmo
me tornei ácida chuva e,
sem mais conseguir absorver
nenhuma luz,

acabei me suicidando

em minha casa abandonada!

O MESTRE E A SEMENTE!

... em algum ponto
sempre nasce e sempre morre  
algo no cosmo,

anjos,
santos,
demônios,

fantasma, águias que havitam
o topo das montanhas, formigas
e vermes:

e o ser acha
que só ele é digno de ser
chamado de  santo, santo santo, sem entenderem
que toda morte é uma semente
ocultada e regatada por

Deus!

AINDA NÃO ME CONFORMO!

... com o sangue
quase já todo negro, magérrima
e sem mais força alguma,

esqueceu o ego
com que, lindamente, sempre
se exibiu nos palcos
da vida,

e disse um nome,
aquele que ela mais amara na vida,
antes de expirar por derradeiro:

o nome dela é Ana!

CONFLUÍMOS!

... confluímos
no amor, insistimos nos sonhos,

éramos donos
de nossas escolhas

e, em vez de nos amarmos
eternamente como nos prometemos,

fomos, com venenos

injetados aos poucos, nos matando!

SÃO PODEROSAS!

Um poder imanente
sem o qual o ser já teria
perdido a pureza nos gestos
e nos encantos,

a fragilidade que nos  coloca
em xeque, quando nos aproximamos sem jeito
e e com timidamente sem vergonhas:

eu garanto que
por falta de ter a quem amar
e se transcendeta:

xaninhas amarelas,
azuis, vermelhase de todas as cores e de todas
as cores, e sonhos e flores,  não podem
jamais faltar, sob pena de o ser
não achar mais nenhum
motivo para lutar!

ESCONDIDO EM MEU QUARTO!

... embriagado
de madrugada no cemitério,
com a companhia dos teus e dos meus
fantasmas,

deixei de navegar mares,
de subir montanhas e de levar
anjos pra cama

e me ransformei-me
em menos que as cinzas do nada
que, após parires, deixaste

na estrada!

A LOIRA AO FIM DO CAMINHO!

... essa tua capacidade
de voar a noite inteira, feito uma eterna
estrela,

essa tua loira beleza
a ofuscar o sol logo em sua bela
manhã,

esses cabelos
que parecem cachoeiras douradas,
essa nata bondade que demonstras
carregar ao coração alado:

essa tua coragem para
viajar ao deserto ou ao mar,
esses teus seios que parecem feitos
por mãos divinas,

essa xana, esse teu jeinho
de anjo custoso e delicado, que
me deixa axfixiado e aprisionado

em tua  jaula!

NÃO HÁ ALÍVIO NO FRONTE!

... tem mais
paz quem não pensa e não sente
demasiado,

confesso
que tenho saudades de minhas
raízes razas,

tempo em que
me era possível até a previsão,
em sonhos e esperanças,
do impossível

___ do amor,
___ do lindo e virgem corpo,
___ da donzela por mim salva
da dor;

confesso
que isso parece meio idiota,
mas também que o olhar profundo
ao ser,

em um caminho
de pedras e sombras sem fim,

me levou!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

SEM ESPAÇO PARA MIM!

Nem às madrugadas,
esses puristas desligam seus faróis,
como que a darem algum sinal
de suas presenças,

como que tivessem
descoberto que há alvos anjos
e corujas de paus
duros,

a sobrevoarem
os telhados e a pousarem nos varais
estendidos por entre
as sombras!

ATÉ A ETERNIDADE FOI FERIDA!

... sangrou
a pura de deus, porque
o mundo e as coisas do mundo
engoliram sua voz,

depois de ela lutar
pelo viver sem imagem, em um mundo
por elas feito

e de ser destruída
pela lepra que se lhe impuseram
os nobres tios, desde cedo!

A PUERÍCIA DO MENINO QUE AINDA TE AMA!

... Para Ana:
eternas saudades!

... vento frio que ficou
de um inverno onde não há
mais vida,

depois que caíste
morta com aquele tumor
negro,

nada mais diminuiu
minha angústia, minha abissal solidão
e minha dor!

UMA ESTREITA VERDADE DO SER!

... sou por todos
contestado em meu niilismo,
talvez subvertido como o poeta
comentou,

mas sobre
as criações mais sublimes
do ser,

encontram-se,
entre toda vastidão que controlou,
um amor que nunca foi
e não é sublime como
ele pinta

e um poderoso
e benevolente deus sem olhos,
que ele fabricou só para
se servir!

NOSSA HISTÓRIA!

... não sei o que é o amor,
deve ser essa coisa que nos mantém
a tanto tempo juntos,

deve ser esta vida
de sensações, de fantasias e de desejos
divididos por tantos anos
no leito,

deve ser essa dor o peito
que arde e queima, e nos aterroriza
toda vez que entramos
em chuvas de fogo,

deve ser esse êxtase,
esse egoísmo com nossos corpos,
essa possessção que sinto por ti
e esses segredos íntimos que sempre houve
entre nós dois!

A DOIS PASSOS DO ABISMO!

... nestes
últimos tempos de minha
vida,

quando
me vires caindo em vazios precipícios,
não corras, mas dê-me
a mão;

quando
me vires cansado e adormecido,
não fales nada e apenas
te deita a meu
lado;

se, no meio
da noite, eu tiver pesadelos
e lhe jogar pragas, cala-me a boca
com um abraço e com
um beijo molhado;

quando eu
em definitivo partir,
não chores, não lamentes, apenas
contempla as estrelas
que um dia foram
nossas

e faze-nos, a nós dois,
uma oração a nosso eterno
Pai!

A PREMONIÇÃO DE ANA!

... sonhei
___ de novo com a corredeira,

tínhamos
___ que atravessá-la,

você foi primeiro
___ e machucou o pé esquerdo

(hoje manco
ainda com a pancada do câncer
que apareceu em minha
___mente);

então
você retornará, pegará impulso
___ e vai atravessar

e, para ficar contigo,
tentei atravessar a mesma corredeira,
___ e não consegui:

Depois disso
te vi a voar, mas eu já não
___ estava mais aqui!

EMBORA NEGUEM, A PRISÃO É A MESMA!

... não,
definitivamente nunca
___ entendi:

enquanto
os anjos e as flutuantes borboletas
___ multicoloridas escondem

a verdade
de seus sonhos, de suas intenções.
de suas fantasias e de
___ seus desejos,

às demais
luzes neon do espetáculos
___ sapiens,

o porquê
de ficarem ofendidos ou assustados
com umas simples imagens
de beldades vestindo
___ lingerie:

por outra,
de nim, digo e afirmo que
é a vulva melada
___ e excitada,

com ou sem calcinha,
que inaugura a um homem a porta
___ de um paraíso!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

O AMOR DEIXA MARCAS!

... o amor
é como o mar, belo, esplêndido
e nos faz sonhar,

o amor é indecifrável
e chega como quem não quer nada
e, ao se notar, já se nos tornamos
seu escravo:

é sim,
o amor é mágico
e de todos o sentimento mais bonito,
mais sublime e mais fantástico:

mas o amor também
deixa cicatrizes e marcas de inevitáveis
e estranhas mortes

de asas!

DOLOROSO EXÍLIO!

... nunca fomos
de desistir definitivamente
de nada,

nunca fomos
do tipo que diz acabou
e o que se foi, foi-se e não
volta mais:

sempre retornamos
porque o amor foi esplêndido e mágico
quando juntos andávamos,

mesmo que seja
apenas para sabermos notícias
um do outro

ou como estão
as cicatrizes que ficaram
da parte escura daquela nossa onírica

paisagem!

SIRVA-TE, BABY!

... pois é, baby,
somos diferentes, embora te gostes
de apreciar e de descansar
em minhas sombras:

o teu brilho
e a tua alardeada luz
costumam vacilar diante de minhas
vontades e loucuras noturnas!

MANICÔMIO!

... não me tocam mais,
nem me incomodam mais

as palavras voláteis
e os surtos de purismos e de heroísmo
dos anjos,

que fica exibindo
suas asas por aí enquanto arranham
fronhas escondidos algum abismo
em em alguma cama:

eu aprendi
a sobreviver neste humano

manicômio!

BÊBADO DE AMOR

... como um bêbado
escondido aprecia sua bebida,
em sua perdida agonia,

quando me lembro de ti,
sinto-me em completo vazio
e, geralmente às noites escuras
e vazia,

deixo rolarem
minhas saudosas lágrimas
em vesanos versos

tristes!

ELES TE CONFUNDEM NÉ, BABY?

... são anjos
voando e agindo sorrateiramente
por todo lado,

sem perceberem
que, às vezes, os desejos, as gozadas
e as vaidades

não são suficientes
para dizerem aos quatro ventos:

“Eu te amo de verdade!”

NOSSOS SILÊNCIOS SEMPRE NOS RESSUSCITAM, BABY!

... quando nos apaixonamos
e começamos a amar um anjo,

entregamo-nos
sem pudores e sem limites,

e vamos com ela
voando e dançando e ignorando
pedras, perigos e abismos;

quando vemos
o verdadeiro rosto da luminescente
serpente, percebemos o erro e percebemos
que ficou tarde demis,

tarde demais

até para uma última noite!

O AMOR NÃO TEM FRONTEIRAS!

... deixe-me te amar,
deixe-me contigo voar
e navegar,

deixe-me te apreciar
como a uma flor de sonhos
impossíveis,

deixe-me te beijar,
a tuas curvas e grutas percorrer
e abusar;

e, quando
eu estiver triste por por qualquer
que seja a  demência
do cinismo,

deixe-me chorar,
pois após as chuvas de lágrimas
cessarem, irei novamente
te resgatar!


FOMOS ONDE NINGUÉM MAIS FOI!

... ler-te acende
ainda mais minhas sombras,
baby espelho meu,

e o teu reflexo,
assim tão branco,
assim tão distraidamente sedutor,
assim tão puro,

desde
a um remoto passado,
do qual não mais te lembras,
em que nos amávamos em céus

distantes!

COMO É TRISTE SE RECONHECER!

... sobre o amor
e tudo da psiqué humana
que já li até hoje,

e sendo bem franco,
eu acho que poderia te dizer
e te garantir que, pelos mesmo motivo
abdormal de todos,

eu (assim como todos)
nunca te amei nem te dei nada, mas sim tudo
inconsciente feito para

mim mesmo!

EU TE VI NUA DE CORPO E DE ALMA!

... imóvel
e incapaz de fazer alguma coisa,
vi-te perdida no caminho e te vi,
com suas máscaras

a voar por céus,
por mares e por leitos de rijas
e ásperas belezas;

por detrás
da lentidão habitual com que
caminha nossas vidas, vi-te perdida
com uma falsa aura
furtiva

e te avisei
que a mágina não era essa
e sim tentar compreender e melhor escolher
entre a celebração das coisas
onde fomos jogados.

Já com teus
sonhos cansados pelos invernos,
pelos outonos e pelas frequências constantes
a cafés-concertos e camas,

próxima à morte,
tu me escreveste, dizendo:
“É, por que não te ouvi, quando falavas
que chegaria, enfim, o tempo

do tarde demais?”

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

ABRA OS OLHOS, BABY!

... elas, as beldades,
sobretudo as virtuais, confundem-nos
com os outros,

misturam
sentimentos basicamente diferentes
como paixão, desejo, tesão
e amor,

elas me subestimam
ao adentrarem minhas sombras
com uma vela acesa não mao, desprecavidas
de minhas tempestades,

de minha inocência
em carregar pesos do mundo
e de todo o mundo, como um espelho,

com severa rotina pesada!

CALMA. NÃO HÁ CELESTIAIS AQUI!

... há algo
de muito errado no mundo,
e dizem que eu é que sou
o cão do diabo,

sem perceberem
que quem mais fere são os anjos
que voam e caem
aos telhados,

fabricando
com suas asas e com seus voláteis verbos
um aparteid terrível entre os vivos
e os que apenas supõem

tentar sobreviver!

SOMBREADO!

Eu ainda me lembro de ti.
Está frio e totalmente seco em meu deserto
vazio.

E o frio, e a dor,
e a angústia e a saudade me trazem
de volta lembranças que ficaram
trancadas naquela cabaninha
do deserto.

E foi aí que me tornei
meu próprio inferno, sempre cultivando,
solitariamente, até as mais pequenas  cicatrizes
com meus cansados

e suados versos!