segunda-feira, 26 de junho de 2017

SEGREDO



... o cheiro
de tua poesia me inebria,

na verdade,
isso até me assusta um pouco,
confesso,

porque
já havitei uma nuvem
que se tornou
turva

e há morei
numa quimera que se tornou
fria e vazia;

agora,
nas névoas do deserto,
quando me pensei seguro,
embora triste,

sinto,
em silentes suspiros febris,
que tua poesia realmente

me fascina!