sexta-feira, 30 de junho de 2017

FITANDO O CÉU QUE ESCURECE



... por medos
de perigos ou de cansaços
é que não paro meu
traço:

aquela adaga
perfurando o lado de meu peito
para chegarem a meus
pulmões

deu-me
uma dor incontrolável;

aquele
bisturi abrindo minha barriga
e minha cabeça
também,

e tudo
com o pressentimento da hora
da imediata passagem;

mas fiquei
e aqui ainda estou e digo
que nenhuma das que tive
é como a dor de carregar, no pensamento,
niilista,

___ familia,
___ amores,
___ filhos,

___ sonhos,
___ esperanças,
___ ilusões,

a certeza
de que sempre lutamos
em direção ao inevitável:
o nada!