terça-feira, 27 de junho de 2017

UM JARDIM IMPOSSÍVEL ONDE SE MISTURAVAM INFINITAS CORES



... não sei
mais como te dizer
que ainda te procuro
no mar, no céu, nos vastos vales
escuros

e nas degredadas
e silentes noites sem mais pulsos
ou glórias

(já andei
milhares de folhas brancas
com minha esferográfica torta
e não encontrei nada que cure a solidão
que ficou em minhas
auroras);

muito
menos sei te dizer como ainda
sinto teu precioso brilho
que tanto te custou
outrora

nesta terra
onde os sapiens ainda vindimam
sem saberem a importância

da hora!