segunda-feira, 26 de junho de 2017

EU SINTO A TUA PRISÃO!



... eis que,
entre luzes celestes,
entre sírios solares
entre esplendores lunares,

entre sonhos raros,
entre lições de frágeis morais
e entre escondidos e afiados
olhares;

a maior
tristeza, a maior queda
e a maior angústia que alguém
pode ter, está na covardia

de, por motivo
familiares, sociais ou angulares,
dizer por avessos o tinto de negro, quando,
na verdade, o que faz é,
a um urubu do deserto,
amar!