quarta-feira, 28 de junho de 2017

NOTURNA



Ela é assim:
de hábito noturno
até no claro do dia,

entenebrecidamente negra
até em suas vestes
de santa

ou nos sábios
conselhos ofertados aos incautos
indigentes.

Ela é assim:
um pedra no caminho,
disfarçada em rosa,

um enigma a carregar
um candelabro,

mas que não passa
de uma lepra
a se alimentar de suas

vítimas.