quarta-feira, 28 de junho de 2017

PERSEGUIR O SONHO!



Não amo,
nem sou capaz de amar
verdadeiramente

(embora seja
um insensato cão
com vesanias
à mente)

a flores
com pétalas de egos
esfuziantes,

nem a pássaros
com regozijos de asas
letradas,

tampouco a santas
com segredos degradados
sob alvos véus;

a esses, há muito,
decidi apenas
mostrar-lhes os reflexos,
em minhas sombras
calcinadas;

eu amo é o vento,
que corre descobiçoso
pela planície,

e a simplicidade
de quem nele
se arrisca a voar,

sem a exacerbada
necessidade

palavras.