segunda-feira, 19 de junho de 2017

SUBLIMIDADE



Há tempos,
ela tem conseguido,
sem elucubrações, jugos
ou condenações vãs,
ser minha amiga

– e até diz que gosta
de mim –:

acho que,
pela primeira vez,
encontrei alguém que sabe
que não somos
culpados

de quando, de onde
e, sobretudo, da abnormal
condição em que
nascemos.