sábado, 24 de junho de 2017

PERDIÇÃO



... o monstro
que amei não é para qualquer
um,

confesso
que, quando o conheci a fundo,
tive medo e receio,

mas aguentei
até que da pouca luz se fez múto
tombo e desventura
em pranto:

quando me dei conta,
o monstro, em tempos de um ano,
morreu

e, com ele,
inevitavelmente

me tombei!