quarta-feira, 21 de junho de 2017

ET LUZ HOMINUM XV



... uma flor
que não se desnuda de suas
pétalas,

que não
assume suas loucuras
os malvados azuis que à mente
lhe possuem

e que não
se transforma em mato liso
ao qual eu possa
desbravar,

não é,
para mim, sequer uma flor;

eu gosto
de pegar, de tomar o rumo
e os remos, de chupar os seios
e os sumos,

de preencher,
com meus mastro a protegida
vaga e de contaminar
um pouco de sua

alma!