quinta-feira, 22 de junho de 2017

FILOSOFIA, FÍSICA, METAFÍSICA, TEOLOGIA E O NIILISTA THOR MENKENT



... em brevidade.

... agitou-se um súbito orgasmo do infinito há cerca de 14 bilhões de anos. Algo que concentrava em uma partícula elementar com massas e densidades infinitas, impossíveis de se calcular (certamente com a quântica e outras forças ainda desconhecidados do ser em ação), provocando um grande estouro que erou todo esse infinito Universo, com toda energia e massa que nele há.  Nos primeiros 200 mil anos, aproximadamente, com o Universo ainda em colapso,liberando a tudo com a explosão, entrou outra força desconhecida em ação, a chamada força de espanção. Como e porque ela começou ainda não se sabe explicas, entretando hoje se sabe que ela é movida devido ao fato de que há mais energia que matéria no Cosmo (e  sópara esclarecer, ao Universo, energia e cosmos representam, em seu conjunto a mesma coisa; reparem que transformamos facilmente matéria em energia queimando gasolina, madeira, papel, nas estrelas com suas explosões hidrogênicas à superfície e ao centro e de várias outras maneiras; não obstante não conseguimos transformar energia em matéria: por exemplo, a energia produzida por uma hidrelétrica, se não for usada, perde-se, porque ela não volta a ser energia potencial da água que a fabrica).

Atualmente se percebe por uma das forças naturais, a gravitacional, que é bem provável haver universos, com leis diferentes, com aspectos diverentes, devido ao fato de que a gravidade, em nosso universo, se faz pela dobra do espaço-tempo, o que significa que algo puxa para baixo ou para que lado for que imaginarmos; e este algo não pode ser visto, devendo-se isso  a efeito de atração de possíveis e infinitos universos paralelos que jamais poderemos ver.

Outra questão fundamental é a de porque o universo se expande, se a energia convencional que nele há não seria suficiente para tal, devenoo Universo, em consequência se direcionar o big  crasch, ou seja, pela ação gravitacional regressar ao ponto de origem. A resposta: há muito mais energia escura (energia que não pode ser vista, usada ou detectada pelo ser do que a energia convencional como a das estrelas, combustíveis, atômicas, etc).

Outro fato onde Deus jogous os dados e no simpediu de os jogar é a quântica, onde, o vermos, cessa o comportamento ondulatório das partículas, e elas passam a se comportar como partículas de massa normais. Ao não empregarmos qualquer instrumento para visualiz-las tem-se um resultado surpreendente: o comportamento é ondulatório e as partículas podem ocupar infinitos lugares, ao mesmo tempo, na órbita do átomo ou de outras partículas ainda desconhecidas da natureza, mas sempre em movimentos elípticos ou circulares, que é a marca do movimento universal do universo.

Outras coisas há que o homem não pode ver, claro, como a maior parte da matéria, chamada de matéria escura. Como matéria escura entenda-se matéria que não emita luz, portanto planetas, asteroides, poeira universal se incluem, mas com a matéria convencional ainda ficam bem abaixo do gráfico que indica expansão comológica, deixando claro que há matéria escura que não pode ser vista pelo ser, sendo um de suas formas as partículas elementares que aparecem aqui e ali incontrolavelmente, superando velocidade da luz e ignorando qualquer principio quântico. Por exemplo, neste instante em que escrevo, tenho em mim partículas que compuseram Abraão,Jesus, e todos os humanos já mortos, vivos ou  que viverão, assim como tenho partículas do início do big bang, de todo o universo e de seu fim previsto em milhares de décadas cosmológicas ao porvir.

Há muito mais, mas levei anos estudando e quebrando cabeça com tudo isso e com a filosofia, chegando a minhas próprias conclusões sobre tudo isso e inaugurando temas como O APAGAMENTO, A ABNOMALIA E A GRANDE BARREIRA, sobre o que já escrevi aqui e para universidades que debateram o assunto.

Mas esta questão filosófica, teológica, científica e metafísica eu abandonei desde que Ana partiu, pois era ela, como eu, sedenta por desvendar profundidades desconhecidas e lugares onde o se jamais poderá por suas retinhas de dentro da grande barreira infinita onde foram jogados e ao que chamam de existencialismo.

Ora, pois, o niilismo e outras reflexõe que ainda sugirão promoverão avanços, mas nunca a visão do antes da ponte existencial, do depois da ponte existencial e de alguns comportamentos, mesmo durante a ponte existencial, onde Deus parece ter colocado uma barreira para nossa evolução.

Bem, e muito mais? Se eu achar outra Ana volto com ela  dissecar o Ser, o Cosmo e todas as possibilidades.

Bem e quanto a Deus? Deus está na ponte, também inaugurado pelo ser. E o que há que tenha gerado ou aguarda o desenrolar de tudo isso não comporta nomes humanos como Deus, Espírito, etc, pois é muito mais e, de acordo com seu próprios desígnios nos permitiu imaginarmos e reinaugurarmos um infinito ao nosso modo de ver e de entender.

Mas, certeza, enganamo-nos, seja o que ele for está além das palavras, dos sentimentos e até das espiritualidades que vemos. Está também no impossível que não podemos ver, nem imaginar; e está, e é Deus inclusive a possibilidade (desde que dentro de infinitos ha todas as possibilidades possíveis) do nada.

Sim, para o niilista, Deus (saliento que este é um nome humano para nos darmos com o que não entendemos) também está no nada que possa restar.


Palavra do niilista.