quarta-feira, 21 de junho de 2017

ET LUZ HOMINUM XII



... eu posso
sentir o gosto de teus risos
e de tuas lágrimas,

eu posso
sentir o que te agrada
ou as brumas que te
perturbam,

eu posso
preencher os ocos vazios
de teus reais
ventos,

eu posso
te bordar em prata, em outro,
em bronze ou em
tormenta,

eu posso
manter ou derrubar teu brasão
maçônico ou tua alemã
condição,

eu posso
te ver em um límpido céu
ou em um escuro
inferno:

eu, em mim,
a tudo posso, sem medos, receios
ou mistérios;

mas tu,
em ti mesma, só podes, como tens
feito, confeccionar estranhos

e tortos versos!