sexta-feira, 23 de junho de 2017

ADORMECIDO



... em minha
mente não cabe o esquecimento
do que podia ter
sido

sobre aquele sonho,
sobre aquele jardim,
sobre aquela cabana,

sobre aquelas noites
em que nos amamos e nos piramos
com nossas chuvas
e relâmpagos;

hoje,
encontro-me ainda nos campos,
com meu nome passando
de boca em boca

e com meu ser
se rachando defrente a espelhos
em estranhos movimentos
sencientes;

e eu estou
assim, sem outonos ou primaveras,
como um morto ou como algo
sempre prestes a morrer.