segunda-feira, 27 de novembro de 2017

NÃO ENTENDES OU CONFUNDES?



... se não podem
me entender, não podem me amar
as flores das quimeras dos anjos
e dos homens?

Ora,
em minha
poesia ou seja lá o que
for isso que sangro por
aqui,

não é só
de mar, amar, desamar
e outras coisas relativas à sapiens
luminescência que
escrevo;

por outa,
minhas velas são deflagradas
a esmo,

geralmente
sem um norte prévio para
escrever;

e penso que,
ao escrever só sobre luzes
e navios alados,

é simplesmente
escolher seguir por direções
que nunca demonstram a total verdade
de nossas coisas;

e isso
é realmente (não ser só líquido)
mas habitar um branco
lamaceiro!