sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

SEM RUMO

Grande angústia me aflige:
perceber-me também
um criador de gêneses espúrias,
é constatar que não mais posso crer
rutilâncias regozijantes.

Sequer posso mais me crer
– mito embalsamado –, com minhas faces
e máscaras, a percorrer caminhos
perdidos.

Bem que queria
ter ainda alguma esperança tênue
em que pudesse me agarrar
em meus desvarios,

mas eis que estou
– também ave pusilâmine – condenado
a caminhar no dorso de meu orb
e embalsamado.