sábado, 1 de julho de 2017

PODER DE ESCOLHA EXISTENCIAL



​​​​​​​... tu esqueceste
o obvio, Sartre, como o balançar
da ponte

e o canto do humano
rouxinol no meio de um monte de cois
que, na verdade, é nada
sem o olhar sapiens!

Ela quase pirou!

Thor Menkent

... a escolha
existencial sartreana só cabe,
em suma, para o corpo todo
e não para o EU,

posto que
a escolha de um daseins implica,
por consequência, influência na escolha
de outros daseis,

por isso
digo: como foste
tão tolo ao tratar do EU
com o poder de escolha e suas
consequências, Jean
Paul Sartre,

quem fabricou
as bombas químicas e atômicas
nunca experimentou
os fatais venenos

do que,
por escolha, fizeram para
que os outros horrível e dolorosamente,
sem escolha alguma,
tombassem!

Atingiste a uma pessoa de quem eu gostava muito com tua filosofia incompleta; mas eu digo que, antes de ela partir, já via além dos horizontes limitados que tentaste mostrar em teu estudos, com as reflexões feitas com o niilista! E tudo começou, quando ela queria ser para mim, como uma Simone Deveouir, infratora, e eu como tu, ao que recusei imediatamente, apresentando-lhe o niilismo que ia além, bem além do existencialismo incompleto que pregavas.