sexta-feira, 7 de julho de 2017

SER É MUITO PESADO E DEMORADO!



Na inutilidade
das imagens aspergidas
pelas insânias dos sapiens
incontidos,

disparo meus verbos
puídos, a condenar as esperanças
exíguas,

a sepultar as utopias
oníricas, a expor as máscaras ambíguas,
e a amaldiçoar as veredas
poluídas.

Mas, antes,
já me incumbi de cintilar a espada
em minha também
abstrata alma
suicida!