quinta-feira, 6 de julho de 2017

FLOR-LUME



Meio prostrado
pelo cansaço dos voos e das jornadas,
um anjo voava todo delicado
sobre meu escorregadio
telhado.

Por um momento,
pensou resistir, mas acabou por ter
de lhe fazer um pouso
forçado.

E foi exatamente aí
que a sublime, cândida e bela flor do altíssimo,
já lânguida de sono, adormeceu,
sonhando-me molhada.

Quem diria, quem diria
que seria exatamente um anjo imaculado,
dentro de meus medos, angústias
e fraquezas, aprisionado,

que, ao se descançar da luz,
me faria florescer, em silencioso hino ao deserto,

alguma esperança iluminada.