terça-feira, 7 de agosto de 2018

Ela me deixou pelo crepúsculo frio da morte, seduzida com a exuberância da ilusão com o sono eterno; eu fiquei só neste mundo cheio de fantasmas, de vazios e de destroços, em dias onde não brilha mais sóis!

Teu lindo e imenso
mar adormeceu, e nunca mais
vais acordar ao amanhecer;

a planície não
teve a mesma sorte,
vive sob dias pálidos e noites
tenebrosas,

a tolerar fantasmas
e a zelar-te, em tristes lembranças,
com moucos cantos
de angústia
e dor!