segunda-feira, 6 de agosto de 2018

AGOSTO!

Quando uma nuvem
ama, deságua suas águas em deleites
e orgasmos,

e a seca terra,
uma vez mais, tem a chance
de se fecundar em sonhos
fantástiscos;

mas quando uma nuvem
chora, deságua em raios flácidos
seu veneno impiedoso,

fazendo com que amantes,
fantasmas, poemas e até minhas sombras

se morram afogados!