domingo, 9 de julho de 2017

QUE POETA É ESTE? II



... sobre
o papel, transfiguro-me
em qualquer coisa a que costumam
chamar de poesia;

sobre
o papel, gritam meus sonhos,
meus desejos e meus fantasmas
mais medonhos;

sobre o papel
estou nu em remo em rima
e em ruína;

sobre o papel
estou codenado a nunca mais
ser um cristal, mas tão somente
um objeto de mira!