sexta-feira, 7 de julho de 2017

PUERÍCIA PERDIDA



Ainda ontem
havia uma criança adormecida em mim,
até que lhe perturbaram
o sono:

ai que suaves contornos lâmina,
ai que doces palavras perfumadas,
ai que virgem broto sulco,
ai que sensual imagem
polida

– dela –;

ai que puro amor entre a bruma,
ai que assombro sua partida em nua chama,
ai que triste engano da lua,
ai que fria minha
​​​​​​​sepultura!