terça-feira, 11 de julho de 2017

O CANTO DO CISNE (NEGRO)



... ele voa
com suas penas em fogo
e com sua alma
em choro,

(as borboletas,
as andorinhas e os anjinhos tmbém
voam, mas sem jamais
entendê-lo)

em cada amanhecer,
em cada entardecer,
em cada fim de dia,

em cada
um de seus próprios,
secretos e angustiantes
escurecere;

e é assim
também que ele canta
à branca espuma dourada
dos sapiens,

morrendo
um pouco, a cada vez,

afogado!