sábado, 15 de julho de 2017

MAIS QUE UM MITO



Quanta vezes
minhas mãos se perderam
nas sinuosidades sensuais
de tuas curvas;

quantas vezes
penetrei teu corpo arqueado
com minha haste
em êxtase;

e o mais importante,
querida:

quantas vezes
me levaste às nuvens
com tua simplicidade e com teus
pueris sonhos,

e quantas vezes
trouxeste fluorescências sinceras
a minha angustiada alma
vazia,

amando-me além- esposa,

e de qualquer coisa?