domingo, 9 de julho de 2017

HÁ MUITO NÃO ESCREVO UM POEMA PARA TI



... a nuvem
se escureceu tanto e choveu tanto
que alagou o resto de meus sonhos
e de minhas esperanças;

ela, que
dizia que eu era puto, sacana
e safado e que deixou de observar
e de notar algumas outras
coisas;

ela, que
não entendia que o corpus não
poderia suplantar o verdadeiro sentimento
que queríamos cutivar;

ela,
a quem tanto ajudei,
por quem tanto me empenhei
e que fui obrigado  a deixar com suas
luzes acesas,

enquanto
me ia ao deserto, como um cão

em náufrago negro!