segunda-feira, 10 de julho de 2017

ENTRE-HORAS



Dizem que não
sou normal,
e que não entendem
o que escrevo.

Embora eu nem saiba
o que é ser louco
ou normal
nessa vida vil,

isso é um elogio
para um homem
da minha
idade,

que já teve asas
de águia
nos enredos dos sonhos
e das carnes,

e colecionou destroços
das quedas entre
vazios e nadas.